música de poesia

Poemas de Dennis Radünz musicados por Marcelo Villena, Julia Muniz/Samuel Scaíni e Alberto Heller 

livros de poemas

FASE CRÍTICA (2020)

Sonívia (Rodeio/SC: Papel do Mato: Oficina Tipográfica, 2020). 

Poema narrativo escrito em fevereiro e março de 2020, ambienta o Anjo da História ("Angelus Novus", de Paul Klee, segundo Walter Benjamin) nas ruas da cidade histórica de Paraty (RJ) e imagina o devir  na escuta de palavras de língua Mbyá Guarani. Com edição limitada e numerada de 100 exemplares.

FASE BRANCA (2007-2016)

Ossama: Último Livro (Florianópolis/Jaraguá do Sul: Letras Contemporâneas/Editora da Casa, 2016 / 2ª. edição - Florianópolis: Letras Contemporâneas/Livros & Livros, 2018). 

Coleção de arqueologias do tempo presente, "Ossama" reúne poemas 'escavados' de 2007 a 2016 e inclui poema visual "Exumação" (1991), com posfácio do professor-doutor e pesquisador Raúl Antelo.

Inclui reproduções de "Libélula e ossinho", trabalho da artista Julia Amaral, na capa e em carimbos.  

FASE AZUL (2002-2006)

Extraviário (Joinville/SC: Letradágua, 2006)

Livro de fanopeia, a terceira publicação foi acompanhada pela apresentação de um espetáculo-solo de Dennis Radünz, “Radical volátil”, apresentado em Florianópolis no Teatro da UBRO e no Festival Folia das Falas – Teatro SESC Prainha, em 2006.

FASE VERMELHA (1997-2001)

Livro de Mercúrio (Joinville/SC: Letradágua, 2001)

 

Livro de melopeia, a segunda publicação teve vários poemas musicados: destaques para “O riso no sono” (por Marcelo Villena), “Cultivos do acaso” (Julia Muniz e Samuel Scaíni) e “Ninfografia”, peça de Alberto Heller, gravada por ele e Polyphonia Khorus no CD “As vozes da poesia” (2007).    

FASE VERDE (1991-1996)

Exeus (1ª. edição – Fpolis: Ed.UFSC, 1996; 2ª. edição: Ed. Letras Contemporâneas / Ed.UFSC, 1998) e Ideiagem & Imaginura (Coleção Poesia de Santa Catarina – Fpolis: Letras Contemporâneas, 1996).  

 

Primeiro livro de Dennis, “Exeus” tem prefácio do poeta Lindolf Bell (1938-1998) e, na 2a. edição, inclui poemas do livreto “Ideiagem & imaginura" e posfácio do professor e tradutor Jorge (Joca) Hoffmann Wolff. Com reprodução de Marcel Duchamp na capa. Pela 1ª. edição do livro Radünz obteve, em 1996, o prêmio Escritor Revelação, concedido pela Academia Catarinense de Letras.

Referências críticas
sobre "Ossama: último livro"
Referências críticas
sobre os primeiro livros: Exeus, Livro de Mercúrio e Extraviário

ANDRÉ DICK

Invenção – Dennis Radünz. IHU Online/Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 276. 6/out/2008.

 

FÁBIO BRÜGGEMANN

Dennis Radünz: o descobridor de Nauemblu. Jornal A Notícia. 7/jan/1996.

 

FERNANDO PY

As rosas de Rilke. Jornal Diário de Petrópolis, 04/mai/1997. p.12.

 

HENRIQUE RODRIGUES

Extraviário, de Dennis Radünz. O Globo. 16/mar/2007.

 

JAYRO SCHMIDT

O tubo de ensaio do poema. Diário Catarinense, 23/12/2006. 

Texto incluído no livro "16 ensaios" (Florianópolis: Bernúncia/Oficinas de Arte FCC/Fundação Catarinense de Cultura, 2007). 

 

JORGE HOFFMANN WOLFF

Exeus: poema-a-poema. Jornal A Notícia. 31/dez/1996. Texto do posfácio do livro “Exeus” (2ª. edição, 1998).

 

JOSÉ ENDOENÇA MARTINS

Exeus, de Dennis Radünz, cria o casulo da metáfora metapoética. Revista de Divulgação Cultural/Furb (Universidade Regional de Blumenau), n.58, maio/1995-abril/1996. p. 87-90.     

JOSÉ ENDOENÇA MARTINS

Blumenalva e Nauemblu: Metáforas de uma Historiografia Literária de Blumenau.  In THEIS, Ivo Marcos; MATTEDI, Marcos Antonio; TOMIO, Fabrício Ricardo de Limas (orgs)Nosso Passado (In)comum: Contribuição para o Debate sobre a História e a Historiografia de Blumenau. Blumenau: Editora da FURB, 2000, p. 269-296.

JOSÉ ENDOENÇA MARTINS

Blumenalva e Nauemblu transcendem Deutschtum e Brasilianertum na Literatura Blumenauense. Revista Blumenau em Cadernos: Edição Especial, 2007, p. 327-362.

 

LINDOLF BELL

Exeus: coleta incomum. Jornal A Notícia. 11/ago/1996. Texto do prefácio às 1ª. e 2ª. edições do livro “Exeus” (1996 e 1998).  

 

PAULO CÉSAR RUIZ

O barroco sintético de um exilado. 1998. Inédito.   

 

PAULO DE TOLEDO

A lira barroca de Mercúrio. Capitu, 2006.

PAULO DE TOLEDO

Escolho o extravio. Cronópios, 18/fev/2007.

REGINA CARVALHO

A poesia em estado de perfeição. A Notícia. 24/fev/2008. 

 

WILSON BUENO

Reviagens de Wolff, Radünz e Karl. A Notícia. Anexo, C-5. 27/set/1998.  

Entrevistas e matérias principais
sobre Exeus, Livro de Mercúrio e Extraviário

 

BRÜGGEMANN, Fábio; GOMEZ, Iur; LIMA, Fifo; TAPADO, Renato –  O que nunca ninguém disse sobre você, mas gostaria que tivessem dito? Jornal Ego, n.5. Florianópolis, 2005.

GALVÃO, Mauro – Entrevista: Dennis Radünz. Revista de Divulgação Cultural / FURB (Universidade Regional de Blumenau), 1997.

      

KLOCK, Cleide – Dennis Radünz: poesia para ser cantada. Revista Cartaz. n.7,. Florianópolis. 2002.   

RODRIGUES, Tânia – Um investigador de enigmas. Jornal de Santa Catarina. Blumenau, 2/ago/1998.

TORRES, Jessé – Colecionadores do banal. In "Singular." v.2. (Prêmio Rumos Itaú Cultural: Jornalismo Cultural 2009-2010). São Paulo: Itaú Cultural, 2010.     

VASQUES, Marco (org.) – Diálogos com a literatura brasileira, v. III. Porto Alegre: Editora Movimento; Joinville: Letradagua, 2010.