OSSAMA 

 

Ricardo Corona

 

Hoje reli Ossama, de Dennis Radünz. Havia lido no calhamaço com espiral. Por isso a importância de um projeto gráfico. Uma capa. Está tudo foda nesse livro último do Dennis. Último que é sinônimo de recente. Está muito foda esse livro. Ele é assombrado pelos ossinhos de Alejandra Pizarnik. Para ela, as palavras eram ossinhos fósseis. E ela queria morrrer engasgada com um desses ossinhos. Arturo Carrera empilhou letrinhas para ela num livro lindo que o Joca Wolff conhece tão bem quanto eu. Dennis está nessa escavação, que é o cavoucar beckettiano também. Nietzsche filólogo idem. Dennis é foda e os fodas fazem livros fodas. E olha que faz algumas décadas que ele é foda.

          Facebook, 9 de janeiro de 2017

Ricardo Corona é escritor, editor, performer e livre-pesquisador. Publicou os livros de poemas  "Curare: etnopoesia" (2011), "Corpo sutil" (2005), "Tortografia" (2003) e "Cinemaginário" (1999) e gravou os discos "Ladrão de fogo" e "Sonorizador".  Vive em Curitiba (PR).